CULTURAS DE COBERTURA

Tal como o nome indica, as culturas de cobertura são áreas semeadas (com plantas anuais ou perenes) com o intuito de criar uma camada de proteção do solo contra potenciais agentes erosivos (gotas de chuva por exemplo) e de favorecer a infiltração da água e manutenção do seu teor em matéria orgânica.

Culturas de Cobertura 01.png
Culturas de Cobertura 00.png
5.Pragas.png
8.Polinização.png
4.Erosão.png
2.Anfibios_Prancheta 1.png
14.Mamiferos.png
9.Morcegos.png
1.Abelhas_Prancheta 1.png
7.Invertebrados.png
3.Aves.png
11.Repteis.png
16.Pequenos Mamiferos.png

Para além destes dois objetivos principais, e em consonância com os mesmos, ao utilizarmos estas estruturas conseguimos;

  • Manter e melhorar os níveis de nutrientes no solo e conservar a sua estrutura e estabilidade; regular a humidade e a temperatura do solo ao diminuir a evaporação; aumentar o conteúdo em matéria orgânica e atividade biológica do solo; incrementar a rugosidade superficial de maneira a favorecer a retenção de sedimentos; combater potenciais ervas infestantes; aumentar a produtividade da exploração e de outras culturas contiguas (podemos potenciar serviços de polinização dependendo da cultura que utilizarmos); melhorar esteticamente as paisagem e incrementar alguma biodiversidade.

  • Ao utilizarmos espécies que usem mais azoto durante o Outono, como por exemplo a Colza (Brassica napus), ou espécies com um sistema radicular bastante extenso, como o Centeio de Inverno (Secal cereale), conseguimos não só remover mais azoto como conseguimos reduzir o risco de lixiviação durante o Inverno. Ao utilizarmos ao mesmo tempo, duas espécies de grupos taxonómicos diferentes, com necessidades de nutrientes diferentes e sistemas de enraizamento diferentes conseguimos remover ainda mais azoto.

 

Logo_CROP_RESIZE.jpg

VOLTAR