SEBE

São conjuntos de pequenas árvores e/ou arbustos plantados a distâncias suficientes (formam uma barreira compacta) que podem desempenhar a função de compartimentação, bordadura e elemento estruturante e ornamental da paisagem.

A nível de biodiversidade são sistemas de enorme riqueza ecológica. Estas estruturas constituem um quebra-vento natural (podem reduzir em 30/50% a velocidade do vento), melhoram as condições microclimáticas, minimizam a erosão dos solos (promovendo a infiltração da água das chuvas) e promovem a diversidade ecológica (contribuindo para uma maior diversidade florística e faunística em termos de local de alimentação, reprodução e abrigo).

6.Estetico.png
8.Polinização.png
5.Pragas.png
3.Cheiro.png
7.Filtrar.png
9.Morcegos.png
10.Musgo.png
14.Mamiferos.png
1.Abelhas_Prancheta 1.png
7.Invertebrados.png
3.Aves.png
8.Liquenes.png
5.Borboletas.png

Mesmo as sebes mal geridas e as espécies mal geridas terão algum papel na redução da erosão do solo e no amortecimento do escoamento dos campos aráveis, filtrando os nutrientes e pesticidas. No entanto, sebes muito estreitas (muito aparadas) oferecem menos benefícios do que as sebes largas e robustas.

  • Densidade de árvores e arbustos – quanto maior for a abundância e diversidade das árvores e arbustos maior será o impacto positivo nas aves, borboletas, mariposas e morcegos – quanto mais árvores existirem, maior é a população e a diversidade (aliás 60% das espécies que visitam as sebes dependem do estrato arbóreo). Um moderado número de sebes pode aumentar o valor estático da exploração.

  • Árvores e bosquetes adjacentes – a incidência de morcegos é significativamente aumentada pela proximidade de outros estruturas arbóreas/arbustivas

  • Cobertura do solo na base da sebe – uma boa cobertura do solo na base da sebe (substrato de misturas herbáceas) irá aumentar a riqueza das espécies de aves

  • Árvores com cavidades basais – árvores mais velhas com cavidades basais proporcionam um habitat adequado para musgos, líquenes, pequenos mamíferos, aves e abelhas.

  • Número de outros habitats ligados à sebe – a conectividade das sebes numa paisagem é bastante importante para o movimento das abelhas e, portanto, para as plantas que requerem serviços de abelhas polinizadoras. Para além das abelhas, a conectividade de outros habitats ligados às sebes é bastante importante para os morcegos que desempenham um papel importante no combate de pragas natural. Geralmente quantos mais habitats conectados, maior é o seu valor estético.

  • Altura da sebe – as sebes altas são eficazes na redução da deriva de pesticidas e na proteção de áreas não alvo, incluindo corpos de água. As sebes altas oferecem também um maior benefício para a mediação de odores, ruídos e impactos visuais. As espécies de aves existentes nas terras agrícolas tendem a preferir sebes com árvores mais curtas, as espécies de aves de mato tendem a preferir árvores e sebes de altura intermédia, enquanto que espécies de aves florestais tendem a preferir árvores e sebes mais altas.

  • Frequência de corte das sebes – as sebes não cortadas fornecem mais flores e recursos do que sebes cortadas. Tipicamente, as sebes grandes e arbustivas suportam o dobro de espécies de aves do que as sebes aprumadas, frequentemente cortadas mecanicamente. O corte de sebes reduz a biomassa de bagas disponíveis durante o Inverno.

  • Época de corte das sebes – o corte deve ser efetuado no Inverno, e evitado durante a Primavera e o Verão. O corte no Inverno pode aumentar a biomassa de bagas.

Logo_CROP_RESIZE.jpg

VOLTAR